SPMI ressalva a “excelente atividade” dos núcleos de estudo em 2020

SPMI ressalva a “excelente atividade” dos núcleos de estudo em 2020

Entre muitas comunicações livres, apresentação de posters, sessões várias, subordinadas a diferentes temas e áreas abordadas pela Medicina Interna, e reuniões de núcleo, o segundo dia do 26.º CNMI terminou com a realização da Assembleia-Geral da SPMI, aberta aos sócios desta sociedade científica.

Neste momento, a Direção fez a apreciação dos relatórios de atividades e de contas referentes ao ano de 2019, da admissão de novos sócios e nomeação de sócios honorários, para aprovação pela assembleia, cuja divulgação será feita, no último dia de congresso, no decorrer da sessão de encerramento.
Fazendo referência e lamentando o facto de muitas das atividades planeadas terem sido adiadas devido à covid – como são exemplo a Cimeira com a Sociedade Espanhola de Medicina Interna e a Festa da Saúde, que esteve marcada para julho de 2020, em Aveiro -, o presidente da SPMI, não pode deixar de ressalvar a “excelente atividade” dos núcleos de estudo.

“Apesar de não ter sido possível realizarem muitas formações que tinham agendadas, os núcleos tiveram uma atividade notável no caso da promoção de webinars, nomeadamente de conselhos práticos e de guidelines terapêuticas aplicadas aos seus doentes específicos, no âmbito da pandemia covid”, disse.

Sublinhando: “Nesse aspeto, os núcleos de estudo tiveram uma visibilidade pública que é de realçar e, ao mesmo tempo, de uma utilidade extrema, que muito apraz, naturalmente, a imagem da SPMI.”

João Araújo Correia dá destaque ao Núcleo de Estudos da Diabetes Mellitus, que, durante a pandemia criou uma linha telefónica, em que os internistas puderam esclarecer os seus doentes sobre os receios acrescidos, relacionados com a sua doença e a infeção por covid-19, dado a sua maior prevalência em doentes diabéticos.

“Nesse aspeto acabámos por ganhar um pouco, pelo menos no que corresponde à utilidade que uma sociedade também deve ter. Não deve olhar apenas para dentro, mas fundamentalmente para fora, sendo útil aos doentes e ao público em geral”, afirmou.

De seguida, Jorge Crespo, tesoureiro da SPMI, apresentou o relatório de contas, realçando o facto de todos os núcleos de estudo, de maneira geral, conseguirem apresentar contas equilibradas. “Houve, naturalmente, alguns com saldo negativo, porque não conseguem gerar receitas, mas que são e vão continuar a ser uma aposta da SPMI”, disse, salientando o saldo “francamente positivo” do Núcleo de Internos de Medicina Interna (NIMI).

“Habitualmente, este era um núcleo que precisava de apoio. Porém, este ano, a organização do CAMI – Curso de Atualização em Medicina Interna, em formato online, teve uma participação tão elevada, que acabou por ser uma fonte de receita extraordinária. A atividade do NIMI foi positiva”, terminou Jorge Crespo.

O 26.º CNMI está a decorrer até ao próximo domingo, no Altice Fórum Braga, em formato presencial e online.