Curso Básico de Medicina Intensiva – B-Learning

INTRODUÇÃO:

O Curso Básico de Medicina Intensiva realiza-se de 23 a 24 de Outubro de 2020, na sede da SPMI, em Lisboa

A Medicina Intensiva é uma área sistémica e diferenciada das Ciências Médicas que aborda, especificamente, a prevenção, o diagnóstico e o tratamento de situações de doença aguda potencialmente reversíveis, em doentes críticos que apresentam falência de uma ou mais funções vitais, eminente(s) ou estabelecida(s).

Na maioria dos serviços de urgência a nível nacional, são os Internistas que, em primeira instância, assumem a responsabilidade por todas as decisões referentes aos doentes críticos no serviço de urgência, nomeadamente, critérios para internamento em Serviços de Medicina Intensiva, planificação e hierarquização dos primeiros tratamentos a instituir e definição dos limites éticos de intervenção terapêutica, com a participação do doente e da família na definição da estratégia terapêutica.

Neste sentido é de primordial importância a formação do Internista na área da Medicina Intensiva, contemplada no internato complementar da especialidade de Medicina Interna com estágios de 6 a 12 meses em Serviço de Medicina Intensiva e na prática diária, nomeadamente, com a constante presença do Internista nos Serviços de Urgência e Salas de Reanimação.

Contudo, tal como nas restantes áreas da Medicina e particularmente na área da Medicina Intensiva, os desenvolvimentos e atualizações são constantes, as estruturas que permitem o suporte de órgão tem evoluído e as evidências na abordagem do doente crítico mudam ao longo dos anos, pelo que a frequência de um curso de atualização em Medicina Intensiva é de particular importância para aquele que é o atual pilar da orientação inicial do doente crítico, o Internista.

OBJECTIVOS:

Gerais:
– Os formandos deverão ser capazes de reconhecer um doente crítico.
– Os formandos deverão ser capazes de fazer a avaliação e orientação do doente crítico.
– Os formandos deverão conhecer as indicações para suporte de órgão em Medicina Intensiva.
– Os formandos deverão conhecer as técnicas de suporte de órgão realizadas em Medicina Intensiva.

Objetivos Específicos por Módulo:

 Módulo 1: Apresentação e Critérios de admissão
– Apresentação de formadores e formandos.
– Os formandos deverão conhecer os critérios de internamento em serviços de Medicina Intensiva.

Módulo 2: Insuficiência Circulatória
– Os formandos deverão conseguir diagnosticar doentes em falência circulatória e reconhecer a fisiopatologia inerente.
– Os formandos deverão conhecer e saber interpretar os métodos de avaliação hemodinâmica não invasiva, como sejam a pressão arterial, pressão venosa central, ecocardiografia cardíaca e a bioimpedância.
– Os formandos deverão conhecer os métodos de avaliação hemodinâmica invasiva e minimamente invasiva, como sejam, Cateter de Swan-Ganz e PiCCO.
– Os formandos deverão estar aptos para uma avaliação hemodinâmica sumária por Ecocardiografia Transtorácica (ETT).
– Os formandos deverão conhecer e saber aplicar os critérios de decisão de suporte cardiovascular.
– Os formandos deverão conhecer as opções terapêuticas e saber conjugar os dados da clínica e da monitorização de forma à tomada de decisão terapêutica mais coerente, ou seja, deverão saber monitorizar, tratar e orientar qualquer doente em choque.
– Os formandos deverão saber conceitos básicos sobre diagnóstico e orientação de doentes em sépsis e choque sético.
– Os formandos deverão saber conceitos básicos sobre controlo de infeção e antibioterapia, nomeadamente, indicações e importância da descalação.

Módulo 3: Insuficiência Hepática, Hemóstase e Metabolismo
– Os formandos deverão conseguir diagnosticar doentes em falência hepática, reconhecer a fisiopatologia inerente e o tratamento adequado.
– Os formandos deverão conseguir diagnosticar doentes com “acute on chronic liver failure”, reconhecer a fisiopatologia inerente e o tratamento adequado.
– Os formandos deverão conhecer as opções terapêuticas no doente hepático e os critérios de decisão de suporte hepático.
– Os formandos deverão reconhecer no doente crítico a necessidade de suporte transfusional e controlo da hemóstase.
– Os formandos deverão aprender a fazer um uso criterioso do suporte transfusional.
– Os formandos deverão conhecer as estratégias para o controlo da hemóstase.
– Os formandos deverão conhecer a importância de uma nutrição adequada às necessidades calóricas do doente crítico catabólico.
– Os formandos deverão conhecer o impacto prognóstico do controlo da glicémia no doente crítico e quais as estratégias para o conseguir.

Módulo 4: Insuficiência Respiratória
– Os formandos deverão reconhecer um doente em insuficiência respiratória, conhecer a fisiopatologia inerente e saber decidir sobre quando e como fazer suporte de órgão.
– Os formandos deverão conhecer as possibilidades de suporte de órgão na falência respiratória: oxigenoterapia de alto fluxo (OAF), ventilação não-invasiva (VNI) e ventilação mecânica invasiva (VMI).
– Os formandos deverão conhecer e aplicar de forma congruente as modalidades ventilatórias disponíveis.
– Os formandos deverão saber aplicar a teoria à prática e efetivar a programação de um ventilador.
– Os formandos deverão conhecer as particularidades fisiopatológicas das patologias ARDS, DPOC e Asma e saber adequar a programação das modalidades ventilatórias a essas mesmas particularidades.
– Os formandos deverão conhecer os princípios básicos e as indicações para utilização de oxigenoterapia de alto fluxo.
– Os formandos deverão conhecer os princípios básicos e as indicações para ECMO Veno-Arterial e Veno-Venoso.

Módulo 5: Neurocríticos e Sedação
– Os formandos deverão saber fazer sedação do doente crítico assim como resolver potenciais complicações da mesma.
– Os formandos deverão reconhecer a importância da monitorização do Sistema Nervoso Central e conhecer os principais métodos de monitorização.
– Os formandos deverão saber como abordar e orientar o doente neurocrítico, nomeadamente, situação de AVC isquémico e hemorrágico e hemorragia subaracnoídea.
– Os formandos deverão conhecer e aplicar os critérios de morte cerebral, de modo a saber identificar doentes nesta condição e a referencia-los à Medicina Intensiva.
– Os formandos deverão conhecer os critérios de morte cardíaca.
– Os formandos deverão saber fazer e fazer manutenção do dador de órgãos, caso não haja vaga nos serviços de Medicina Intensiva.

Módulo 6: Insuficiência Renal
– Os formandos deverão conhecer a fisiopatologia da lesão renal aguda, crónica e crónica agudizada.
– Os formandos deverão reconhecer e saber abordar o doente crítico em falência renal de acordo com a fisiopatologia da lesão renal.
– Os formandos deverão conhecer os critérios para substituição da função renal.
– Os formandos deverão conhecer os fundamentos básicos das técnicas de substituição renal.
– Os formandos deverão conhecer as diferentes técnicas para a substituição renal, continuas e intermitentes, suas indicações e limitações.
– Os formandos deverão perceber os princípios inerentes à programação de uma técnica de substituição renal.
– Os formandos deverão conhecer os fundamentos básicos da técnica de aférese, nomeadamente da plasmaferese e da diálise com albumina, as suas indicações e a programação das técnicas.

O CURSO:

eLearning:  Módulos 1-6

Sessões Presenciais:
1º Dia: 
das 9:00 às 17:30 horas
2º Dia: das 9:00 às 17:30 horas

Coordenadores Pedagógicos: Raquel Cavaco e Nuno Germano

Metodologia:

Os métodos e técnicas selecionados estão em consonância com os objetivos pedagógicos estabelecidos e terão, como preocupação central, que os participantes sejam agentes ativos da aprendizagem.

As sessões teóricas serão sob o formato eLearning, a metodologia usada será a expositiva mediante a disponibilização na plataforma Moodle de apresentações de power point em voz off para explicação de conteúdos e sistematização de informações. A informação será disponibilizada para os formandos cerca de 30 dias antes da componente prática do curso.

Nas sessões práticas haverá lugar aos métodos interrogativo para diagnóstico e confirmação da consolidação de conhecimentos, demonstrativo para exemplificação da realização das tarefas e ativo para a concretização das aprendizagens.

Durante estas últimas os formandos serão divididos em quatro grupos de seis a rodar por quatro bancas simultâneas:
– Em duas, o formador fará uma demonstração dos aparelhos de ecocardiografia, substituição renal e ventiladores. A esta demonstração segue-se um período de experimentação durante o qual o formando terá a possibilidade de se familiarizar com os aparelhos e de seguida programá-los de forma adequada ao caso clínico que lhe é exposto, sob a monitorização do formador;
– Nas outras duas, o formador fará uma presentação dinâmica de casos clínicos ao grupo e colocará perguntas para orientação diagnostica e terapêutica dos casos clínicos nas diferentes insuficiências de órgão abordadas.

O curso destina-se a Especialistas de Medicina Interna e Internos de Formação Específica, preferencialmente de Medicina Interna, no total de 20 formandos.

A inscrição será efectuada através do preenchimento do boletim de inscrição disponível online no website da SPMI.

A confirmação da inscrição apenas será efectuada após o pagamento da taxa de inscrição.

Curso Básico de Medicina Intensiva: 300 € (Formato: B-Learning)

As inscrições encerram quando preenchidas as vagas disponíveis, ou se tal não acontecer, encerram no dia 27 de Setembro de 2020. A organização reserva-se ao direito de cancelar o curso até dia 4 de outubro de 2020.

Mais informações em https://www.spmi.pt/6cnurgencia/

O secretariado do Curso é da responsabilidade do Secretariado do Centro de Formação em Medicina Interna | SPMI:
Cristina Azevedo
Morada: Rua da Tobis Portuguesa, nº 8 – 2º Sala 9, 1750-292 Lisboa
Telefone: 217 520 570 | 217 520 578
E-mail: cristina@spmi.pt | formi@spmi.pt

Bibliografia fornecida na plataforma Moodle.

A avaliação dos formandos terá, duas componentes:

– A avaliação da aplicação prática dos conhecimentos teóricos*, na orientação de casos clínicos e na realização de ecocardiograma, programação dos ventiladores e aparelhos de técnica de substituição renal. Esta será realizada mediante grelhas personalizadas a cada teórico-prática, onde constarão 6 pontos de avaliação. Sobre estes pontos de avaliações os formandos serão classificados pelo formador de cada banca de 0 a 20 valores. Para ser considerado apto nesta prova prática o formando terá que ter > 10 valores em três ou mais pontos.

– Avaliação teórica de conhecimentos**, mediante a realização de uma prova escrita, com 50 questões de escolha múltipla, com cinco alíneas cada e apenas uma resposta correta. A prova terá duração de 90 minutos e pontuará de 0 a 20 valores. Será considerado apto o formando que obtiver pontuação superior a 10 valores. O teste poderá ser realizado nos 7 dias que se seguem ao Curso na plataforma Moodle e só poderá aceder ao teste teórico quem tiver aproveitamento nas práticas.

CONTACTOS:

O secretariado do Curso é da responsabilidade do Secretariado do Centro de Formação em Medicina Interna | SPMI:

Cristina Azevedo
Morada: Rua da Tobis Portuguesa, nº 8 – 2º Sala 9
1750-292 Lisboa
Telefone: 217 520 570 | 217 520 578
E-mail: cristina@spmi.pt | formi@spmi.pt

VALOR E INSCRIÇÃO

Curso Básico de Medicina Intensiva: 300 € (Formato: B-Learning)
Duração: 2 dias presenciais
Data: 23 e 24 de Outubro
Local: Sede da SPMI

INSCRIÇÕES ESGOTADAS

A Taxa de Inscrição inclui a participação nos trabalhos, material de apoio a ser fornecido pela organização, coffee-break e almoços de trabalho.

POLÍTICA DE CANCELAMENTOS E DEVOLUÇÕES:

– Até um mês da realização – Devolução de 75% do valor
– Após essa data não se realizam devoluções (apenas se aceita troca de nome)

A devolução do pagamento tem um custo de 10€ (despesas administrativas)

Mais informações: cristina@spmi.pt

LOCAL

Sede da SPMI
Rua da Tóbis Portuguesa,
nº8 – 2º sala 9 – 1750 – 292 Lisboa

X