Mensagem do Presidente do Congresso

Armando-Carvalho

O 25º Congresso Nacional de Medicina Interna, organizado pelo Serviço de Medicina Interna do CHUC, vai realizar-se no Centro de Congressos do Algarve, em Vilamoura, de 23 a 26 de maio de 2019. Foi no ano já distante de 1990 que se realizou em Coimbra o 1º Congresso Nacional, presidido pelo Prof. Armando Porto, que proferiu uma conferência inaugural intitulada “O presente e o futuro da Medicina Interna”. Como dizia Peter Drucker “a melhor maneira de predizer o futuro é criá-lo“. Foi isso que os internistas portugueses fizeram ao longo destes 28 anos e 24 congressos. É isso que queremos continuar a fazer.

Foi com este pano de fundo em vista que escolhemos como lema do 25º Congresso “a Medicina Interna no centro da decisão”, porque é essa a posição que permitirá à nossa especialidade ter futuro e contribuir para um futuro melhor daqueles a quem servimos. A complexidade dos doentes e o progresso da Medicina vão continuar a aumentar nos próximos anos e, consequentemente, irá haver tendência para a hiperespecialização dos vários intervenientes na saúde. A multidisciplinaridade, já inevitável, irá ser cada vez mais decisiva na abordagem dos doentes e do seu tratamento, o que exige equipas cada vez mais diversificadas, exigindo liderança adequada. Parece óbvio ser necessária uma visão abrangente dos problemas para coordenar estas equipas, pelo que a Medicina Interna deverá ter aqui um papel essencial. Mas para isso é preciso ter internistas bem preparados e de elevada qualidade, aceites pelos seus pares como decisores naturais. Doutro modo corremos o risco de ter apenas um conjunto vasto de médicos generalistas, disponíveis para as mais variadas tarefas básicas que outros especialistas rejeitarão.

O desafio presente é construir um futuro bom para as pessoas que servimos e para os internistas, pois só médicos felizes podem cuidar com qualidade dos que deles precisam. Queremos discutir e promover o papel central da Medicina Interna na decisão clínica, na  multidisciplinaridade, na gestão clínica, na planificação dos cuidados de saúde, no uso das novas tecnologias, na integração da inteligência artificial na prática médica. Não podemos perder de vista estes horizontes, devemos antecipar o futuro.

No 25º Congresso Nacional de Medicina Interna esperamos ter a maior participação de sempre. Há em Portugal mais de 2600 especialistas e mais de 1000 internos de Medicina Interna. Este é já um dos maiores Congresso Médicos portugueses e queremos que seja o melhor, quer do ponto de vista científico, quer como oportunidade de convívio; quer na transmissão de conhecimentos, quer na
partilha de experiências; quer na divulgação dos avanços no diagnóstico e na terapêutica, quer na parceria inestimável com a indústria farmacêutica.

O nosso Congresso Nacional será o que quisermos que ele seja, fazendo jus à frase de Drucker. Todos juntos, cada um no seu lugar e com o seu papel, conseguiremos ter um grande Congresso e contribuir para a construção dum futuro brilhante para a Medicina Interna portuguesa, a bem das pessoas que
servimos.

Armando de Carvalho
Presidente do 25º Congresso Nacional de Medicina Interna