Resumos - Consulta
HIPOCALEMIA GRAVE – QUAL O LIMITE COMPATÍVEL COM A VIDA?
D. Renais   -   Poster
Congresso ID: PO-03-73   -   Sala Filipe I | LCD #3 | sem discussão
CENTRO HOSPITALAR DO PORTO, HOSPITAL DE SANTO ANTóNIO, SERVIçO DE MEDICINA INTERNA
Ana Vigário, Ana Rita Costa, Catarina Mendonça, João Araújo Correia
A hipocalemia é um distúrbio hidroelectrolítico comum, mas quando atinge valores extremos pode cursar com complicações graves que podem por em risco a vida do doente, como é o caso das arritmias cardíacas. Entre as causas frequentes de hipocalemia estão as perdas gastrointestinais por diarreia e vómitos, o uso de diuréticos e doenças endócrinas. Os autores trazem o caso de uma mulher de 61 anos, com anorexia nervosa e bulimia, e múltiplos internamentos prévios por distúrbios hidro-eletrolíticos graves, caquexia marcada e desnutrição. Associadamente com deterioração cognitiva. Encontrada insconsciente em casa, pelo que foi trazida ao Serviço de Urgência onde se apresentava vigil, mas desorientada e com sinais de desidratação significativos. Objetivada hipocalemia de 1,5 mmol/L, hiponatremia de 110mmol/L, alcalemia metabólica grave (pH 7,683) e bicarbonato de 68,7mmol/L. Eletrocardiograma com arritmia sinusal, frequência ventricular de 78bpm e intervalo QTc 452. Colocado cateter venoso central para correção de distúrbios hidroeletrolíticos, com resolução completa dos mesmos após 3 dias de internamento. A hipocalemia grave até estes valores extremos é rara, mas tem uma prevalência elevada nas doentes com disturbios do comportamento alimentar, devendo ser considerada nas mesmas como potencial precipitador de morte súbita cardíaca por arritmias ventriculares malignas.
2015 Sociedade Portuguesa de Medicina Interna. Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento: b-online.pt