Resumos - Consulta
SARCOMA KAPOSI CUTÂNEO E PULMONAR – AINDA UMA APRESENTAÇÃO INICIAL DA INFECÇÃO VIH/SIDA
D. Infecciosa e Parasitárias   -   Poster
Congresso ID: PO-808   -   a partir do dia 29 de Maio nos LCDs
CENTRO HOSPITALAR DO PORTO, HOSPITAL DE SãO JOãO
Isabel Silva, Ana Sofia Santos, Ana Cláudia Carvalho, Cátia Caldas, António Sarmento.
INTRODUÇÃO: O Sarcoma de Kaposi (SK) é uma neoplasia maligna rara. Existem quatro formas epidemiológicas, sendo que a última está relacionada com o vírus da imunodeficiência humana (VIH) e começou a ter impacto a partir da década de 80, com a explosão da síndrome da imunodeficiência adquirida (SIDA), e o impacto social que as lesões cutâneas violáceas começaram a representar. OBJECTIVO: Apresentar um homem de 31 anos, homossexual, sem antecedentes de relevo, com VIH/SIDA inaugural por apresentação de SK com atingimento cutâneo e pulmonar. MÉTODO: Revisão de um caso clínico. RESULTADO: Homem previamente assintomático, desenvolve lesões cutâneas na face e membros em dois meses e associadamente tosse seca, sem outros sintomas acompanhantes, recorrendo à urgência hospitalar. À admissão apresentava-se apirético, sem alterações à auscultação pulmonar e com lesões violáceas/ acastanhadas na face, membros e palato. O RX tórax apresentava infiltrado micro-reticulo-nodular paracardíaco bilateral e o anti-VIH foi positivo. Fez-se o diagnóstico de infecção VIH/SIDA e o doente foi internado para estudo. As restantes serologias víricas foram negativas. Manteve-se estável durante o internamento, estadiando-se imunossupressão grave (linfócitos T CD4+ 124 células/mm3). A broncofibroscopia documentou lesões sugestivas de SK desde a região da subglote até à árvore brônquica e o estudo micológico, bacteriológico e micobacteriológico do lavado broncoalveolar foi negativo. A tomografia torácica revelou aspectos sugestivos de SK pulmonar. O doente foi medicado com Doxorrubicina e teve alta para a consulta de Infecciologia para início de terapêutica antiretrovírica. CONCLUSÃO: O SK é uma neoplasia frequente nos doentes infectados por VIH gravemente imunodeprimidos e é mais prevalente em homens e homossexuais. Pode envolver pele, pulmões, trato gastrointestinal e outros órgãos. O SK pulmonar ocorre em 20 a 50% dos casos, raramente é local inicial da doença, mas acarreta pior prognóstico.
2014 Sociedade Portuguesa de Medicina Interna. Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento: b-online.pt