Resumos - Consulta
PANICULITE MESENTÉRICA E DISTÚRBIO DO METABOLISMO DA GLICOSE: UMA NOVA RELAÇÃO?
D. Gastroenterológicas   -   Poster
Congresso ID: PO-476   -   a partir do dia 29 de Maio nos LCDs
CENTRO HOSPITALAR E UNIVERSITáRIO DE COIMBRA, SERVIçO DE MEDICINA INTERNA A
João Tavares, Vera Romão, Rita Jorge, Suzana Calretas, Margarida Eulálio, Sara Leitão, Filipe Breda, Rui Santos, Armando Carvalho
A Paniculite Mesentérica(PM) é rara, com apenas 200 casos descritos. Afeta sobretudo homens a partir da 6ªdécada de vida. A etiologia é desconhecida e a apresentação variável, sendo frequentemente assintomática. O diagnóstico é realizado através de tomografia computorizada(TC), podendo ser necessária biópsia para confirmação. Identificaram-se associações entre PM e outras doenças(ex.neoplasias), contudo a relação com a diabetes mellitus(DM) não transparece na literatura atualmente disponível CASOS CLÍNICOS Caso1:Homem, 51 anos, seguido em consulta por Esteatohepatite não alcoólica e alteração da glicémia em jejum. HbA1c 5%. TC:PM Caso2:Homem, 70 anos, internado por dor abdominal. Antecedentes pessoais(AP) de DM tipo 2(10 anos) medicada com metformina+Sitagliptina, HTA, Dislipidémia e Psoríase. HbA1c 7.7%. TC:PM. Melhoria com Colchicina 1mg/id Caso3:Homem, 63 anos, seguido em consulta por colangite esclerosante secundária. AP: DM tipo 2(8 anos) medicada com Glibenclamida, HTA e Colecistectomia. HbA1c 6,2%. TC:PM Caso4:Homem, 64 anos, dispepsia. AP:DM tipo 2(4 Anos) medicada com Metformina, dislipidemia, história passada tabagismo. HbA1c 5.6%. TC:PM. Melhoria espontânea Caso5:Homem, 67 anos, internado por sépsis e dor abdominal crónica. AP: DM tipo 2 (15Anos) medicada com Metformina+Vildagliptina, HTA, Dislipidemia, FA,AVC e Colecistectomia. HbA1c 6.7%. TC:PM. Melhoria com Colchicina 1mg/id Caso6:Mulher, 76 anos, enviada a consulta por hepatopatia crónica. AP: DM tipo 2 (medicada com vildagliptina), hipotiroidismo, HTA e doença renal crónica. HbA1c 6.5%.TC:PM DISCUSSÃO A PM é uma patologia pouco frequente, sendo descrita em pequenas séries e casos isolados. O diagnóstico é mais frequente por maior acessibilidade aos meios diagnósticos e pela maior sensibilidade dos clínicos para a doença. Nesta série todos os doentes tinham alteração do metabolismo da glicose pelo que se sugere, apesar do n.º reduzido da amostra, que possa existir alguma relação entre as 2 entidades.
2014 Sociedade Portuguesa de Medicina Interna. Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento: b-online.pt