Resumos - Consulta
GASTROENTERITE EOSINOFÍLICA: É NECESSÁRIO SUSPEITAR
D. Gastroenterológicas   -   Poster
Congresso ID: PO-441   -   a partir do dia 29 de Maio nos LCDs
UNIDADE LOCAL DE SAúDE DO ALTO MINHO – HOSPITAL DE SANTA LUZIA, VIANA DO CASTELO. SERVIçO DE MEDICINA 1
Irene Miranda, Cátia Barreiros, Duarte Silva, António Ferreira, Carmélia Rodrigues, Diana Guerra, Alfredo Pinto
INTRODUÇÃO: A gastroenterite eosinofílica (GE) é clinicamente heterogénea, sem etiologia conhecida, caracterizada pela infiltração maciça de eosinófilos (Eo) na parede do tubo digestivo, desde o esófago até ao recto. A sintomatologia varia consoante a região afetada e a profundidade da infiltração. CASO CLÍNICO: Mulher, 59 anos, com DM2, HTA, dislipidemia, insuficiência cardíaca isquémica, fibrilação auricular. Sem história de alergias. Desde há 5 meses com diarreia, retorragias, dor abdominal difusa, astenia e anorexia. Perda ponderal de 12Kg em 3 meses. Sem náuseas, vómitos ou febre. Múltiplos internamentos com melhoria dos sintomas, que recorriam após a alta. Sem dados relevantes no exame objetivo. Análises: anemia de doença crónica, eosinofilia (350/uL), electroforese de proteínas sem alterações, velocidade de sedimentação (VS): 46mm. Serologias víricas e estudo parasitológico de fezes negativos. TC abdomino-pélvico: espessamento da parede do cólon e ileon distal a sugerir colite e ileíte e fina lâmina de liquido ascítico. Endoscopia digestiva (ED) baixa sem lesões. Biópsia cólica revela mucosa com infiltrado inflamatório linfoplasmocitário com Eo, discreto e segmentar e edema na área mais profunda da lâmina própria. Perante suspeita de GE e, uma vez que a infiltração de Eo da mucosa cólica foi pouco caracterizada, efetua ED alta que mostra antro com eritema e erosões/úlceras superficiais pleomórficas na face posterior. As biópsias revelam gastrite eosinofílica com erosão crónica e duodenite eosinofílica. Inicia prednisolona 40mg/dia com melhoria dos sintomas. CONCLUSÃO: A GE é rara, sendo necessário alto grau de suspeição. O diagnóstico, feito pela documentação da eosinofilia tecidular, deve colocar-se perante sintomas gastrointestinais inexplicados ou recidivantes, associados a eosinofilia periférica e VS normal ou discretamente elevada, como no caso apresentado. Salienta-se que as biopsias devem ser múltiplas e feitas mesmo em mucosa de aspeto normal.
2014 Sociedade Portuguesa de Medicina Interna. Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento: b-online.pt