Resumos - Consulta
HIPERTIROIDISMO APATÉTICO
D. Endocrinas e metabólicas   -   Poster
Congresso ID: PO-340   -   Dia 29 de Maio das 16h00 às 16h30 no LCD # 3
UNIDADE DE CUIDADOS INTENSIVOS POLIVALENTE - HOSPITAL SãO FRANCISCO XAVIER, CHLO
Hugo Moreira, Sara Estrela, Filipa Horta e Silva, Carlos Costa, Joana Silvestre, Vítor Mendes, João Gonçalves Pereira, Camila Tapadinhas, Pedro Póvoa
Introdução: O hipertiroidismo apatético define-se como um quadro semelhante à depressão, caracterizado por apatia e letargia, podendo ocorrer manifestações cardiovasculares como fibrilhação auricular refractária. É prevalente sobretudo em doentes idosos (> 65 anos). Caso Clínico: Mulher, 76 anos, admitida por cetoacidose diabética. Recorreu ao serviço de urgência (SU) por astenia e tosse não produtiva, acompanhada de confusão e hiperglicémia. À admissão apresentava hálito cetónico, hiperglicémia (409mg/dl), polipneia e febre (38ºC). Iniciou insulina rápida com melhoria da confusão, tendo alta. Regressou ao SU no dia seguinte por agravamento do quadro respiratório e confusional. Apresentava taquipneia com diminuição global do murmúrio vesicular. A gasimetria arterial (GSA) mostrava acidose metabólica com hiperlactacidémia. Laboratorialmente destacava-se hiperglicemia (632mg/dl), linfopénia, trombocitopénia, aumento da proteína C reativa (PCR) e retenção azotada. Iniciou insulina, ceftriaxone e claritromicina. Foi transferida para a enfermaria. A cetonúria era de 4 +. Evoluiu com hipotensão arterial, taquicardia e polipneia. A GSA mostrou agravamento da acidose láctica sendo entubada oro-traquealmente e transferida para a unidade de cuidados intensivos (UCI). Houve regressão da retenção azotada e da cetonúria com fluidoterapia e insulina. Manteve PCR elevada (fez 5 dias de amoxiclav), depressão do estado de consciência e necessidade de insulina em dose muito elevada. As culturas foram negativas. A punção lombar, ecografia cardíaca, abdominal e renal foram normais. Admitiu-se hipertiroidismo apatético confirmado laboratorialmente, tiroxina (FT4) de 38.4 e thyroid stimulating hormone (TSH) <0.01. Iniciou lugol, propiltiouracilo e hidrocortisona, com recuperação da consciência, controlo do perfil glicémico e tensional e descida da PCR. Conclusão: Este caso ilustra a apresentação duma entidade sub-diagnosticada nos doentes idosos, a qual pode simular outras patologias.
2014 Sociedade Portuguesa de Medicina Interna. Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento: b-online.pt