Resumos - Consulta
ESCLERODERMIA E ADENOCARCINOMA DO PULMÃO – UMA ASSOCIAÇÃO IMPROVÀVEL
D. Autoimunes e vasculites   -   Poster
Congresso ID: PO-155   -   a partir do dia 29 de Maio nos LCDs
CENTRO HOSPITALAR TâMEGA E SOUSA, SERVIçO DE MEDICINA INTERNA
Jose Soeiro, Natalia Oliveira, Mari Mesquita
Os autores reportam um caso de esclerodermia sistémica (ES), e de adenocarcinoma do pulmão. Existem estudos que mostram risco aumentado de neoplasia em doentes com ES, sendo que em 1/3 dos casos, a neoplasia do pulmão, é a mais frequentemente encontrada. O caso apresenta diagnóstico de adenocarcinoma do pulmão, em simultâneo com o diagnóstico de ES, em doente sem factores de risco para neoplasia e sem evidência de fibrose pulmonar. Mulher de 55 anos, não fumadora, com história de poliartralgias simetricas e fenómeno de Raynaud, sem úlceras digitais e sem seguimento prévio. Foi ao serviço de urgência, por mal-estar geral, com 1 mês de evolução, com anorexia, perda ponderal, e dispneia com agravamento progressivo. Trazia de ambulatório, ecocardiograma com derrame pericárdico, de grau moderado, sem compromisso hemodinâmico. Em internamento feito o diagnóstico de ES, com atingimento cutâneo, músculo-esquelético, gastrointestinal. ANA positivo com anti scl70 positivo. Feita estratificação de atingimento pulmonar, com TAC torácico, sem evidência de áreas de fibrose pulmonar ou outras alterações, e as provas funcionais respiratórias foram normais. Para a etiologia do derrame pericárdico, foram excluídas etiologias infecciosas, causas comuns de neoplasia (mamografia, endoscopia digestiva alta, e TAC tóraco-abdomino-pélvico, sem evidencia de neoformação), e associação com outras doenças auto-imunes. Fez broncofibroscopia, com biopsia a uma lesão suspeita a nivel de um brônquio, e lavados brônquico e broncoalveolar normais Resultado histológico de biopsia brônquica, mostrou tratar-se de adenocarcinoma. Assumiu-se derrame pericárdico de etiologia paraneoplásica. Este caso salienta a importancia da vigilancia pulmonar cuidadosa em doentes com ES, e que esta associação sendo rara, os mecanismos geneticos e a relação temporal do aparecimento da neoplasia ainda não estão completamente esclarecidos, assim como a fibrose pulmonar não é factor de risco para neoplasia do pulmão.
2014 Sociedade Portuguesa de Medicina Interna. Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento: b-online.pt