Resumos - Consulta
HEMORRAGIA INTRACRANIANA SECUNDÁRIA A MASSA SELAR
Outros   -   Poster
Congresso ID: PO-1348   -   a partir do dia 29 de Maio nos LCDs
CENTRO HOSPITALAR LISBOA NORTE, HOSPITAL DE SANTA MARIA, SERVIçO DE MEDICINA I, SECTOR D
Inês Colaço, Frederica Faria, Diogo Cruz*, J.L. Ducla Soares* *partilham a posição de último autor
Das massas selares, os adenomas da pituitária são os mais frequentes, sendo os lactotrofos os mais comuns com uma prevalência de 44,4 por 100.000 habitantes. A apresentação clínica destas massas varia desde assintomático a sintomas neurológicos ou endócrinos. Descrevemos o caso de um homem de 84 anos com antecedentes conhecidos de massa intra e supra-selar mediana e para mediana esquerda envolvendo o seio cavernoso, fibrilhação auricular crónica sob anticoagulação com varfarina e insuficiência cardíaca, trazido à urgência por alterações da memória retrógrada e anterógrada, desequilíbrio da marcha e cefaleia de localização occipital e frontal de início súbito. Ao exame objectivo eram evidentes as alterações de memória. Laboratorialmente, de salientar trombocitopénia com INR 2,62. Realizou tomografia computorizada crânio-encefálica que comparativamente a exame anterior mostrou manutenção das características da lesão centrada à cisterna supra-selar e seio caveroso esquerdo mas com volumosa hemorragia intra-ventricular de novo, mais evidente no III ventrículo e ventrículo lateral esquerdo, com pequeno foco hemático no corno frontal do ventrículo lateral direito e no aqueduto de Sylvius, e com hipodensidade na substância branca adjacente ao ventrículo lateral esquerdo coexistente. Procedeu-se à reversão da anticoagulação e estudo etiológico da massa, destacando-se hiperprolactinémia 922,9 ng/ml (refª 2,1-17,7 ng/ml). Estabeleceu-se assim o diagnóstico de prolactinoma. A apresentação habitual dos adenomas pituitários funcionantes é habitualmente relacionado com o excesso ou défice de hormona em causa; no entanto, neste caso, os sintomas neurológicos sobrepuseram-se, com a cefaleia e os sinais neurológicos focais decorrentes da hemorragia como forma de apresentação. Admite-se que a hemorragia foi facilitada pela trombocitopenia e anticoagulação, com provável ponto de partida externo à hipófise, pela ausência do quadro de apoplexia que cursa com hemorragia intraselar.
2014 Sociedade Portuguesa de Medicina Interna. Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento: b-online.pt